Facebook

sábado, 14 de junho de 2014

Fotos de Fernanda Paes Leme para a Revista VIP


E lá se foram 11 anos. Quando Fernanda Paes Leme posou pela primeira vez para a VIP, em 2003, havia uma guerra no Iraque, Lula tinha acabado de assumir a Presidência e todo mundo só falava no beijo triplo e ao vivo pela TV entre Madonna, Britney Spears e Christina Aguilera.

Sabe-se lá se vivemos num mundo melhor desde então, mas uma coisa é certa – está aí o ensaio para confirmar: Fernandinha (é difícil resistir ao diminutivo carinhoso, né?) nunca esteve tão gata e tão bem.

“Tô mais leve, saca?” Sacamos. Boa parte dis­­­­­­­­so, diz ela, veio do fato de ter aceitado os 30 anos de boa, sem drama. “A gente fica mais dona de si, sem tanta expectativa. Passou aquela Síndrome de Peter Pan dos 20 e poucos anos. Se bem que fiquei mais seletiva e isso é chato”, diz, rindo, ela que está solteira há um ano e divide o apartamento à beira-mar na Barra da Tijuca com Google, uma border collie impossível.

Isso quer dizer que ferrou geral para os caras e está cada vez mais difícil chegar junto da inigualável Fernanda Paes Leme? Que nada.

“Comigo não tem essa de ficha técnica para cumprir, tem que rolar um encontro de gente querendo a mesma coisa, que seja divertido. Se o cara tiver tanquinho é lucro [risos], mas isso não me importa.”

Eles é que costumam se importar, ficam cheios de dedos. Difícil aguentar o rojão. Pudera: uma mulher linda, famosa, com grana, independente e que não precisa de homem para nada. Mas, se ro­­­­­­lar impasse, não é ela quem vai empacar: os caras não vêm? “Vou até eles.”

No flerte, Fernanda parte para o ataque, mas diz que num esquema mais “soft power”. “Sutilmente”, entrega. O que é ser sutil nesse caso? “Não vem com essa pergunta, não vou entregar minhas armas”, ela repele. Insisto. “É fazer de um jeito que só o cara perceba.” Mas só ele – e, conta, já viu muito marmanjo assustado.

Mas pense bem, olhe direito, como diabos é que se reage naturalmente a uma mulher dessas te dando mole?

Nesse jogo de mostra e esconde ajuda bastante dominar um ofício que tem muito de dissimulação, coisa que ela vem afinando desde os 15 anos, quando ainda era só a filha de um narrador esportivo famoso (Álvaro José), começando a carreira no seriado Sandy & Junior.

A adolescente linda e meio desengonçada daquela época conta hoje 15 novelas no currículo, quatro filmes (está filmando o quinto) e desde o mês passado uma nova empreitada, como apresentadora do Superstar, uma das apostas da Globo neste ano. Chegou longe.

Fernanda virou celebridade – tem quase 3 milhões de seguidores no Twitter –, mas sem os cacoetes dessa fauna de egos e micos gigantescos.

Não tem botox, não fez plástica nem lipo, não pôs peito, é tudo dela e cuidado com moderação. “Malhar não é minha prioridade. Imagina, não quero dar dica de nada, nem ser exemplo para ninguém por causa disso. Tô de boa!”

Se for exemplo, deseja ela, que seja pelo futebol que curte (é são-paulina doente), pelo monte de palavrão que fala enquanto assiste aos jogos, pelo jeito despachado que vai à praia, sem se preocupar com paparazzo nenhum, e pela carreira que construiu com muito trabalho.

“O lance é ser normal, não tem nada mais caído do que fazer tipo, né?” É mesmo? “Sim, e os caras percebem. Eles até se submetem a isso, mas logo vazam.”

Por normal, leia-se ser assim exatamente como neste ensaio, sem nenhuma frescura, à vontade, sem muita ma­­­­­quiagem, com os cabelos soltos, se esparramando preguiçosa e sexy numa cama macia, como se esperasse alguém chegar com o café da manhã.

Esse alguém pode ser você, caro leitor, porque Fernanda é quem diz: “Não quero ser a sarada, a gostosa, eu quero ser acessível”. Calhou de ela ser tudo de uma vez só.


Texto: site revista VIP












Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...